Namoralzinha que série BOA. Eu não comecei a assistir The Mandalorian com o hype da série em seu lançamento, só comecei a ver quando o penúltimo episódio havia saído porque sim e fui muito surpreendido. Vou tentar falar sobre a série aqui sem spoilers.

Eu costumo dizer que sou fã de Star Wars, exceto dos filmes. Pra mim, a graça em SW está no universo expandido, principalmente no que eu já li dos quadrinhos. Em The Mandalorian eu vejo muito do que havia nos spin-offs que vi/li como por exemplo as animações de Clone Wars (que na minha opinião foi a melhor produção audiovisual de SW). O universo é muito grande, temos muitos personagens, raças, planetas e culturas que podem ser apresentadas e praticamente todas muito mal aproveitadas pelo Jorgin Lucas, não é difícil fazer qualquer coisa melhor do que ele fez.

Pois bem, na série a gente acompanha a história de um Mandaloriano (uma espécie de legião de guerreiros mercenários) e como ele vai enfrentar altas confusões com seus amigos: um robô assassino, uma mina porradeira, um alien emburrado e o baby Yoda (tá eu sei que não é o Yoda mas sim outro ser da mesma raça dele mas quem liga né?) A história tem um andamento muito bom, o personagem mesmo com poucas palavras já conquista o público e nos faz simpatizar com ele. De início você pode até chegar a pensar que ele é um caçador de recompensas fodão ,as logo descobre que não é bem assim, o cara apanha e precisa dar seus pulos pra conseguir se safar, em alguns momentos você começa até a duvidar da capacidade dele de ser um caçador de recompensas. Isso é bom porque de algum jeito “humaniza” o personagem e faz com que você tema por ele e se importe com ele, não é um daqueles casos onde você sempre vai pensar “ah ele vai sair dessa de boas.” O desenvolvimento do personagem também é algo muito bem trabalhado, ele evolui consideravelmente entre os episódios inclusive de maneira bem explícita quando se trata dos equipamentos dele.

Agora devo confessar que mesmo não sendo fã dos filmes uma coisa que me pegou pelo coração foram as breguices que mantiveram. Mesmo com os efeitos absurdamente bons para uma série onde as naves e os aliens estão muito bem feitos eles ainda mantiveram aquelas transições de cena toscas do windows movie maker que usavam desde a primeira trilogia. O mesmo para o próprio baby Yoda, existia a opção de fazer ele completamente em CGI mas fizeram um boneco e abraçaram essa ideia. Nota-se que é um boneco? Sim. Ficou tosco? Talvez. As pessoas gostaram? PRA CARALHO. O baby Yoda virou um puta sucesso viral, não tinha um único lugar na internet onde não postavam foto daquela porcaria fofa do caralho. Sabem o que é isso? Tudo culpa da Disney com Guardiões da Galáxia 2 e o baby Groot, desde aquele filme e a recepção do público para com o personagem eu já cantava a pedra, depois dessa série então esperem por mais “baby qualquer-porcaria-de-personagem” nos cinemas e seriados.

Baby Yoda

MAS VOLTANDO À SÉRIE. Sobre os vilões, foi algo também que acertaram on point. Nos últimos episódios nos é apresentado um vilão que de cara você já sabe que ele é um filho da puta sem costume de primeira e muito forte, tipo o Joffrey de GOT só que sem a parte do forte. No último episódio então nos é apresentado um elemento que qualquer fã de SW precisa admitir que foi muita ousadia e coragem dos produtores da série, eu empolguei legal enquanto assistia. É uma história que foi relativamente pouco explorada (sobre esse elemento citado) no universo expandido, tem personagens muito legais já trabalhados e a produção não parece estar se contentando com puco, não consigo ver essa série não dando certo e indo pra frente.